terça-feira, 18 de julho de 2017

Indian Scout Bobber 2018

A norte-americana Indian apresentou mais um modelo da marca, um nova vertente da linha Scout. A Scout Bobber tem estilo mais moderno e é uma “customização de fábrica” da clássica Scout. O estilo Bobber tem como principal característica os para-lamas e curtos e poucos cromados. Deve chegar ao mercado no final deste ano. 

O novo modelo tem suporte de placa lateral instalado do lado esquerdo e rodas com novo design de oito raios. Na paleta de cores oferece foscas preto, bronze e cinza e brilhantes preto e vermelho. A versão Bobber tem o mesmo motor V2 de 1133 cc e o mesmo padrão ciclístico da Scout, lançada em 2014.

A Bobber também tem, entre outros itens exclusivos, assento em couro marrom escuro e não caramelo como o da Scout. As pedaleiras foram recuadas em 38 mm, tornando a posição de pilotagem um pouco mais esportiva, e o guidão “tracker” ficou mais reto.







segunda-feira, 17 de julho de 2017

Krugger THIVERVAL

O customizador belga Fred Krugger apresentou a Thiverval, sua versão pessoal da cruiser XDiavel da Ducati. O modelo faz parte de um programa de customização da própria marca que já teve a versões de Roland Sands e do próprio Centro de Design da montadora italiana, a draXter.
A Thiverval mantém o motor inalterado, mas o quadro foi integrado acompanhando as linhas da moto para simplificar o design da XDiavel. O farol dianteiro permaneceu o mesmo enquanto o tanque e o banco foram redesenhados e pintados com diferentes acabamentos de preto e cromado. O assento ainda incorpora o sistema de escapamento.
A Thiverval tem o mesmo nome, em homenagem, a um pequeno circuito os arredores de Pari. Foi apresentada no último dia 1 de julho, no Bikers Classics 2017, que aconteceu no Circuito belga de Spa-Francorchamps.






terça-feira, 27 de junho de 2017

Zanella

Nos últimos anos temos visto as palavras vintage/retrô em diversos segmentos incluindo o motociclismo. Diversas marcas renasceram justamente por já possuirem em seu DNA estas características, exemplos recentes são a Indian e agora a Royal Enfield, Zanella entre outras... 
E é justamente desta última que vamos falar hoje, A Zanella é a mais importante fabricante de motos da América Latina fundada há 60 anos na Argentina. Ela começou como uma empresa de produtos metálicos e passou a fabricar motos em 1957 com tecnologia importada da italiana Minarelli. Suas motos foram exportadas para diversos países como Estados Unidos, Cuba, Uruguai entre outros. No Brasil, suas motos foram montadas pela FBM e fizeram sucesso com modelos "off-road" de 125cc. e 200cc. Na verdade, a FBM-Zanella foi a primeira "moto-verde' a chegar ao nosso mercado, ainda em 1973, com fábrica em Cachoeirinha (RS). Atualmente, a Zanella fabrica ciclomotores com tecnologia própria e motos com tecnologia chinesa e tem como destaque uma Custom de 250 cc. denominada Patagônia, nome de um modelo on/off-road já antológico. Recentemente a Zanella incorporou a mais tradicional fabricante uruguaia de motocicletas, a Cibana. Sua proposta é um quanto ousada, seus modelos possuem um visual atraente o que não podemos dizer de sua mecânica que para nós ainda é um mistério.  
Nas fotos abaixo selecionamos alguns modelos da linha Custom / Street com cilindradas que vão desde 150cc até 350cc.











  


segunda-feira, 26 de junho de 2017

GARAGEM: Peças alternativas Honda Shadow 600

Muito  versátil, é muito comum encontrar no mercado milhares de motocicletas modelo Shadow 600 nas ruas do Brasil, se você é proprietário de uma raridade dessa, veja abaixo uma lista de equivalência.
Esta lista é uma Coletânea de experiência dos membros do Grupo Shadow VT Sombra. Este é o resultado das informações de experiência dos membros do grupo. Por favor não compartilhem informações de peças que não foram testadas e experimentadas, pois isto acarreta prejuízo aos colegas.
Cabo do velocímetro: TITAN, DAFRA KANSAS 150 “SCHERER”. NX400 FALCON, CB 450 DX. ORIGINAL SHADOW 600 NÃO É CARO.
Carburador: Parafusos de ajuste da mistura: TWISTER.
Gicle de Baixa: NT 650.
Agulha da Boia : CBR 600, CBR 900, DT 180, VIRAGO 250.
Bomba de combustível: KADETT.
Reparo do cilindro mestre (Burrinho do freio): TWISTER, 150ccTITAN
Rele de partida: ESTRADA, TWISTER, NX400 FALCON, TITAN 150.
Relação: Corrente KMC, CIC. Coroa da CB 500 VAZ, PINHÃO VAZ 15 dentes ou 17 dentes.
Relé do pisca: TWISTER.
Sensor pedal descanso: TWISTER.
Filtro de combustível: FRAM 8mm, BROS de 9mm reto. (+ braçadeiras)
Filtro de ar esportivo Made in USA: Marca K&N. para melhor desempenho e durabilidade: 50.000 Km. Não precisa substituir é só lava-lo.
Filtro de ar: papel Adaptar: NXR BROS 125,NXR BROS 150, GM CELTA.
Filtro de ar: papel: Adaptar: FORD FIESTA.
Escapamentos: Anéis de vedação:
Cilindro dianteiro maior: CB400.
Cilindro traseiro menor: TITAN 150
Suporte do cabo do velocímetro: CB 450 DX
Interruptor do neutro: NX400 FALCON
Interruptor de freio traseiro (cebolinha): TWISTER, CG TITAN.
Interruptor da embreagem: CG 125, 150 2000, CB 300R.
Alavanca de embreagem (oring) YBR.
Vela de ignição “NGK DPR8EA-9″:
Flexível do freio: TENERÉ (ORIGINAL)
Tampa do radiador 1.1 bar: BONGO da KIA, RANGER V6 95 A 03 RANGER 2.5 GAS 97 A 01.
Filtro de óleo: PALIO FIRE 1.1 MAHLE OC 259, FRAM PH 5949
Rolamentos: Melhor comprar em casas especializadas. Bem mais barato.
Rolamento da roda dianteira: código universal 6004: NACH, NSK.
Coxim da Trazeira: DO PASSAT NACIONAL.
Bateria: XT 600 (polos invertidos). Preferência Yuasa.
Regulador elétrico: (CDI), CB 400 Magnetron.
Disco de embreagem: CB 400, NX FALCON CB 500 Fischer. fazer 250 original
Termostato Radiador: sensor temperatura 37760-mt2-003 100 0n 85 0n CB250 CB400 CB500 CB600 CB900 CB1000 CB1300
Válvula Do Termostato: CB 500, SADOW 750, HORNT.
Retentor de bengala: Marcas: ATHENA, CORTECO.
Caixa de direção: TWISTER
Rolamento Caixa de direção: FALCON, SUNDOWN STX 200
Cabo de vela: TWISTER, CBX450, CB 500, CB600. FUSCA., GOL 16 VALVULAS ANO 2000.
Pastilhas de Freio: Preferência marca: COBREK, RACYNG.
Tampa do Tanque de combustível: TITAN 150. Levar ao chaveiro para adaptar chave original.
Parafusos de regulagem de ar do carburador da twister e da tornado são idênticos aos da shadow.
As mangueiras do radiador: mangueira inferior do radiador, Gol CHT 1.0/1.6 86-96”
Regulador de voltagem: Falcon
Escovas de Arranque: Shadow 750, 1100, VTX 1300, VULCAN 800.
Retentor da haste da embreagem similar: Da titan 1 mm menor mais da certo.
Diodo de silício: CB 500 FOUR.
Referência de Tinta para pintura da Shadow roxa: Cor da tinta: P23M.
Para melhorar a luminosidade do velocímetro: PODE SUBSTITUIR A LAMPADA POR UMA FITA DE LED COM 4 OU 5 LEDS E TERÁ UM EFEITO ESPETACULAR.
Para alongamento de bengala 10 cm guidom original: CABO VELOCÍMETRO CBX 750 INDY E FLEXÍVEL DE FREIO DA VIRAGO.



Lembramos que estes dados são um conjunto de experimentos de várias pessoas ao longo do tempo que produziram resultados posittivos.
Um pouco da história dessa lenda

Modelos como Kawasaki Vulcan 500 e Suzuki Intruder 800 surgiram para brigar por esse nicho, mas sem muito sucesso.
Aí chegou a Honda Shadow VT 600 e tudo mudou: a moto deu início à popularização das custom japonesas de média cilindrada.
Extremamente confiável e com visual muito bem resolvido, mais bandido do que clássico, a moto sofreu algumas poucas mudanças até sair de linha, em 2005. Basicamente, perdeu um de seus dois carburadores e ganhou cores diferentes a cada ano. Ainda hoje é uma moto bem-vista e cobiçada.
Em 2006, veio a Shadow 750. Também eficiente, mas com desenho corpulento, não emplacou tanto. Em 2009, ganhou injeção no lugar do carburador. E em 2011, sofreu alterações estéticas que a reaproximaram do bem-sucedido estilo esguio da Shadow 600. Na verdade, a Honda apenas trocou a “matriz”: nos EUA, a Shadow 750 existe em quatro versões (todas com a mesma mecânica). A nossa era a Aero e passou a ser a Spirit. Simples assim.




terça-feira, 13 de junho de 2017

Yamaha Star Venture 2018


 A Yamaha apresentou, na abertura do “35th annual America de Rally”, em Nova York, nos Estados Unidos, a versão 2018 de seu modelo touring, a Star Venture. O lançamento da montadora japonesa tem motor V2 refrigerado a ar de 1.854cc (113 pol.³) com 4 válvulas e duas velas de ignição por cilindro com transmissão por correia em 6 marchas e parte de US$ 24.999, no mercado norte-americano.
A moto tem Park Assist System, com motor elétrico na roda dianteira que auxilia nas manobras de estacionamento e sistema de infotainment com Bluetooth de 7 polegadas touchscreen LCD full-color. Tem ainda no conjunto eletrônico controle de velocidade de cruzeiro, modos de condução, controle de tração, monitoramento de pressão dos pneus e freios ABS de série com acionamento combinado dianteiro e traseiro com ajuste em tempo real, bancos do piloto e passageiro, assim como as manoplas aquecidos além de ajuste remoto de pré-carga da mola traseira.
Há ainda a versão mais luxuosa, a Transcontinental, com acréscimo de itens como GPS, um par extra de alto-falantes e controles de áudio “Dual Zone” que permitem piloto e passageiro ouvir diferentes fontes de áudio e receber chamadas telefônicas por meio de um fone de ouvido e microfone. O pacote também inclui um alarme e faróis de neblina LED. A Transcontinental sai por U$ 26,999, nos EUA.




terça-feira, 6 de junho de 2017

[CANCELADO] 22° Tubarões Bikerfest 2017


Como todos nós estamos carecas de saber através de todos os veículos de comunicação o nosso país atravessa uma crise política e administrativa de proporções incalculáveis, esta tal crise chegou ao motociclismo já a muito tempo, quando o poder público ainda não admitia o rombo em seus cofres e realizava festas de forma desordenada.
O objetivo deste texto não é apenas criticar a péssima gestão pública mas para refletirmos sobre algo que ouvimos em diversas rodas de conversa no meio motociclístico, aliás o que vale mais a pena: Um evento para motociclistas ou um show do cantor do momento?
Assim como eu você certamente responderá que é o evento para motociclistas! Será que os municípios não conseguem enxergar esta diferença? 

Infelizmente o tradicional evento Tubarões BikerFest 2017 de Cabo Frio-RJ foi cancelado, não por falta de empenho na organização que por todos estes anos vem dado duro em melhorar a cada ano, e isso não afeta somente aos motociclistas mas toda uma economia local, são três dias de Hotéis, restaurantes, comércio cheios!!! Qual artista da atual mídia faz isso?
Esperamos que em 2018 seja diferente...


quinta-feira, 25 de maio de 2017

PAIXÃO PELA VELOCIDADE! ...


S&S Cycle: UMA HISTÓRIA DE DESEMPENHO COMPROVADO!

Fundada em 1958, S&S Cycles tem fornecido peças de alto desempenho para todas as linhas de Motocicletas Harley Davidson além de outras motos V2 americanas, há quase 60 anos.

 Começando com uma simples ofertas de kits pushrod peso leve,  a linha de produtos S&S para desempenho de Motocicletas, veio aumentando ao longo dos anos incluindo sistemas de escape, árvores de cames, carburadores, sistemas de injeção de combustível, kits de Stroker, kits Big Bore, cabeçotes, peças sobresselentes e serviços para motores de motocicleta completas para ambos os V2 antigos e modernos. Todos feitos nos EUA!
A S&S Cycle tem uma vasta história de corridas de arrancada em Bonneville, pistas, e corridas de velocidade em terra. Apresentamos soluções de desempenho para pilotos de todos os níveis, de competição ou não. Nós também oferecemos produtos e soluções de desempenho compatíveis com o controle de emissão de poluentes, que permitem aos nossos clientes desfrutar de uma maior potência e torque de forma legal, respeitando as legislações vigentes e o padrão certificado TÜV  em qualquer lugar do mundo. A S&S Cycles cresceu a ponto de ser um dos nomes mais confiáveis e respeitados no ramo de desempenho para motores V2. A quase 60 anos no mercado, e por muitos longos anos a frente, desenvolvendo produtos de altíssima qualidade e tecnologia, conquistando clientes satisfeitos mundo afora.

Você encontra toda linha SS Cycle no site Dark Choppers Brasil com preços e condições incríveis! VEJA AQUI 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

SWM Motorcycles no Brasil


As lendárias motos da marca italiana SWM Motorcycles vão desembarcar no mercado brasileiro no segundo semestre de 2017 por meio de um importador oficial. Inicialmente, a marca venderá quatro modelos em uma loja na cidade de São Paulo. Duas motos com estilo clássico com motor de 440 cm³ e outras duas voltadas para o estilo Off Road. Importadas, os preços das motos devem partir de R$ 25.000.
Famosa nas competições Off Road na década de 1970, a italiana SWM (Speedy Working Motors) encerrou suas operações nos anos de 80. Porém, em 2014, a marca ressurgiu com o capital do empresário chinês Daxing Gong, presidente do grupo Shineray, e o conhecimento do engenheiro italiano Ampelio Macchi, atual CEO da SWM.
Atualmente, as motos são produzidas na cidade de Biandronno, em Varese, norte da Itália. De lá virão quatro modelos para o Brasil importados pela empresa SU Trade, representante da SWM no País. “Iremos importar e vender as motos. A ideia inicial é ter um ponto de venda em São Paulo (SP) e, a partir daí, nomear futuros concessionários”, revelou José Eduardo Gatti, um dos sócios da SU Trade.
Caso a taxa de câmbio se mantenha estável, os preços dos modelos devem partir de R$ 25.000 para a Silver Vase, uma scrambler com motor de 440cc. A Gran Milano, o outro modelo de 440cc, deverá custar R$ 26.000. Já os preços das motos de enduro devem ser R$ 28.000 para a RS 300 R e R$ 31.000 para a RS 650R.
“Queremos vender uma moto confiável, a um preço justo, principalmente nos modelos de 440cc. São motos de nicho, porém acessíveis e fáceis de pilotar”, acredita o empresário brasileiro. Segundo a SU Trade, as motos comercializadas no Brasil são as mesmas vendidas na Europa e nos Estados Unidos. Inclusive já adequadas à nova lei de emissões (Euro IV). 
Motos SWM que virão para o Brasil
Silver Vase 440
 
Pneus de uso misto, protetores de bengala e escapamentos laterais garantem o estilo scrambler da Silver Vase. Seu motor de um cilindro, 445,3 cc, é alimentado por injeção eletrônica e produz 29,9 cv de potência máxima. A Silver Vase tem câmbio de cinco marchas e transmissão final por corrente. Com quadro em aço, pesa 151 kg e usa rodas raiadas de 17 polegadas, na traseira, e 19, na dianteira. Ambas com freio a disco. 
Gran Milano 440
Sobre a mesma base mecânica da Silver Vase, a SWM construiu uma café racer batizada de Gran Milano. Destaque para seu tanque protuberante e anguloso, com capacidade para 18,3 litros. Mais leve (141 kg a seco) e com banco mais baixo do que a versão scrambler, a Gran Milano ainda tem disco de freio em formato margarida e suspensão dianteira invertida. 
RS 300R
Fina e esguia a RS 300R foi projetada para a prática do off-road. Com peso de apenas 111 kg (a seco) é empurrada por um motor quatro tempos de 297 cm³, com refrigeração líquida e potência que pode chegar a 38 cv. Com grande distância livre do solo (300 mm) e banco a 96 cm, a RS 300 R traz suspensão da grife Kayaba com 295 mm de curso e regulagem completa. Freios a disco e rodas em alumínio completam o conjunto ciclístico. 
RS 650R
Estilo radical do fora de estrada e peso de apenas 144 kg (a seco) associados ao motor de um cilindro com 600 cc e refrigeração líquida são os atrativos dessa legítima trail. Seu propulsor é alimentado por injeção eletrônica com câmbio de seis marchas e potência máxima de 54 cv. O conjunto de suspensão oferece longo curso e múltiplas regulagens. Feita para o Off Road, a RS 650R, entretanto, pode receber um kit com espelhos e lanternas e assim ser emplacada e rodas nas ruas.

domingo, 21 de maio de 2017

Médicos sem Fronteiras

Esqueça um pouco do seus problemas, na maioria das vezes são muito menores do que você imagina, sabemos que nosso país não atravessa uma boa fase a muito tempo mas abra um pouco seu campo de visão e tente enxergar o quanto a humanidade sofre com epidemias, fome e guerras. 

Nossa campanha já está no ar! 


faça sua parte ajudando a salvar vidas! Acesse: https://www.msf.org.br/

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Denatran quer proibir motos de usar baú

No dia 27 de abril, o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) publicou a portaria 60/2017, que dispõe sobre das modificações permitidas em veículos. Para quem usa motocicletas, pode aparecer um novo problema, pois no item número 17, a instituição exige alteração de documento para qualquer moto que use “dispositivo de transporte de carga”, abrindo brecha para a exigência de tal modificação em qualquer baú, bauleto ou alforje de motocicleta.

Ao final do artigo, o Conselho explica que por “dispositivo de carga”, enquadra-se qualquer equipamento do tipo baú ou grelha. Em parte alguma o Contran explica o motivo da exigência e nem se os baús pequenos, comuns de serem vistos em motos, serão ilegais sem a alteração de documento. As novas regras passam a valer a partir de 27 de maio. Agora cabe as Associações de Motociclistas (AMO's) e representantes públicos recorrer atrás dos direitos de quem utiliza sua moto. Vamos continuar acompanhando...

fonte: iCarros
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...